Arquivo do blog

Facebook - Blog

Facebook - Agência

Twitter

@ZipaoAventura 2013. Tecnologia do Blogger.

Marcadores

América do Sul (3) Argentina (2) Cachoeira (7) Camping (3) Camping Selvagem (4) Catarata (2) caverna (2) cidades (18) Dica (8) esporte de aventura (3) Feriado (7) Férias (12) festas (6) hostel (2) interior (7) MG (5) montanha (6) Paraguai (1) Paranapiacaba (3) Parque (11) PR (5) Praia (4) rafting (1) Rapel (2) rio (1) RJ (7) RMSP (9) RS (5) serra (7) SP (20) Top10 (2) Travessia (2) trilha (14) Trilha noturna (4) urbano (6) Usina (1) Viagem (10)

Seguidores

Puerto Iguazú

Hey galera, como está o dia de vocês?

Espero que esteja em 100% porque hoje vou contar mais uma parte das minhas férias em Foz do Iguaçu.

O segundo dia em Foz dediquei aos encantos argentinos afinal se eu já estava por lá porque não ir aproveitar um pouco não é? Fechei um pacote nó hostel mesmo incluindo transporte e entrada do parque argentino, mas é que valeu a pena ter fechado assim porque ficou bem mais barato.

Acordei cedo pra tomar um café bem caprichado que estavam servindo no hostel e fui preparar minha mochila para passar o dia inteiro em Puerto Iguazu e não estava pretendendo gastar com comida ou qualquer coisa do gênero.

O primeiro programa do dia era uma parada obrigatória na ponte que faz a divisa Brasil-Argentina. Bem mais tranqüila do que a Ponte da Amizade e com um rio bem mais calmo deu pra aproveitar bem o visual e tirar algumas fotos. E seguimos para a aduana argentina onde todos tem que fazer a sua entrada legalizada. Após a fronteira fomos direto para as cataratas argentinas. E sobre esse passeio já falei em outro post só pra não ficar muito extenso por aqui....

Depois de sair do parque peguei um ônibus municipal e fui até o centro de Puerto Iguazú. E lá dá para ver um grande contraste com as demais cidades da triplice fronteira. Em quanto Ciudad del Este é um caos total e Foz do Iguaçu lembra muito uma cidade de porte médio no Brasil, a cidade argentina tem clima de cidade de interior com ponto forte no comércio.

Lá é tudo bem simples mas bem organizado. Não tem aquele clima estressante de cidade turística e tão pouco preço desse tipo de cidade, mas ainda sim é bem acolhedora e por incrível que pareça, com uma população bem gentil e carismática divergindo assim do esteriótipo de argentino arrogante que temos de uma forma geral. Não se isso se deve a maioria da população ser de origem indigena latino-americano e não de origem européia, então se preserva muito mais uma cara brasileira em solo argentino, inclusive se você olhar no mapa a região das missões argentinas pertencem muito mais ao Brasil e Paraguai do que a própria Argentina (chupa essa manga!).

O meu foco em solo argentino não foram as comparações mas sim conhecer um pouco a cidade, e nada melhor do que andar por ela. É incrivel como os motoristas respeitam o pedestre ao ponto de mesmo com o sinal verde eles cederem ao pedestre, isso seria um sonho aqui no nosso país. E o mesmo respeito se vê pelas bicicletas provando que pode se ter carros, bicicletas e pedestres convivendo em harmonia pelas cidades. Uma placa bem curiosa que eu ví foi a de "preferencial para bicicletas" e não sei ao que se deve isso. Mas que foi bem interessante, isso foi.

Andando pela cidade eu tinha um objetivo: ir até o marco das 3 fronteiras e quando cheguei tive uma boa surpresa pois diferente do marco brasileiro, este fica numa zona urbana bem sinalizada e com segurança, tanto que tinham várias bicicletas sem nenhum tipo de corrente apoiada e sem ninguem por perto olhando. Achei aquilo um belo exemplo de educação e a maior surpresa foi ver o entardecer daquele parque mas pena que o último ônibus voltando para o Brasil era muito cedo (cerca de 17h30min) porque seria muito bom ver o por do sol em solo argentino, assim teria uma boa vista e um excelente espetáculo. Quem sabe da próxima vez eu não vá ficar em solo argentino?


E depois de aproveitar um pouco do visual hora de fazer compras e nada mais argentino do que alfajor. Adoro esse doce tanto que voltei com uma caixa inteira pra São Paulo apenas porque eu gosto desse doce e o mais incrivel é que nem no Free Shopping estava tão barato de se comprar. É assim que eu gosto: bom e barato sem precisar rodar muito!

O meu maior problema ao voltar ao Brasil foi pensar em como trazer tanta coisa de volta pra casa sendo que levei uma mala pequena. A solução veio em Foz mesmo onde comprei uma mala nova pra mim e por incrivel que pareça estava no mesmo preço das malas do Paraguai com a diferença de ter garantia de um ano (a nota ainda está guardada) por defeitos de fabricação ou de peça mau feita.

E pra terminar o dia, nada melhor do que jantar uma comidinha caseira no hostel e descansar porque o próximo dia seria mais intenso do que esse.


Esse foi mais um texto que escrevi para vocês. Agradeço a todos por estar lendo meus posts e não esqueçam de comentar minha gente, preciso de um feedback!!!!


Aloha!